Imprimir Canil Haras La Pampa
08/12/2017
COLUNA DO RAFA - Fale somente o necessário...

COLUNA DO RAFA - Fale somente o necessário...

Fale menos e aproveite mais...

Fale somente o necessário com o Heeler

 

Como seres humanos, nós estamos acostumados a falar muito. Falamos com as plantas, falamos com as paredes, falamos até com o que não está neste mundo. Mas devíamos aprender a falar um pouco menos com os nossos cães.

Pare e pense por um minuto, relembre aquelas filmagens sobre a natureza que assistimos na National Geographic, lembra do silêncio? Não existe um único som vindo dos animais quando eles estão focados em alguma atividade. Geralmente eles emitem sons para mostrar insatisfação, ameaça ou algo neste sentido.

A "comunicação verbal" acontece mais quando os animais estão tranquilos, descontraídos e relaxados. O Elefante banhando o filhote, os leões brincando entre si, os lobos rolando pelo chão e etc. Este é o momento onde eles emitem sons, do contrário, o silêncio reina em absoluto.

Silêncio? Silêncio para nós, pobres humanos acostumados a ver somente com os olhos e ouvir apenas com os ouvidos.

Em meio ao silêncio da ação existe a energia que está sendo exalada em formato de cheiro, feições faciais e postura corporal. Cada movimento tem um objetivo, cada curva do corpo demonstra algo e cada detalhe despercebido pode ser a diferença entre viver e morrer no reino animal.

Assista o vídeo:

Deadly Australians -Dingo
https://youtu.be/dwxtDqczZD8

Voltando ao nosso mundo comum, quando abrimos o portão do quintal e vamos ao encontro de nossos cães, costumamos falar demais. Já vi pessoas gritando "Senta", "Fica", "Não faz isso zezinho", "Você vai para o castigo luizinho" e etc…

Outro erro comum é no momento de alimentar o cão ou a matilha. Existe sempre aquela voz de dengo, um bebê que está morto de fome desde a última refeição dele (4 horas atrás) e por isso, coitado, está sofrendo tanto tadinho. Quando falamos os cães não entendem, o que eles entendem são algumas pequenas palavras em meio a frases (barulhos para eles) desconexas. Mas o pior não é falar, existe a postura corporal. Nos encolhemos, fazemos bico, beiço, mãozinha e, para animais acostumados a viver enxergando padrões de comportamento corporal, mostramos a nossa maior fraqueza: Emoção.

Não confunda emoção com sentimento. Animais tem alguma forma de sentimento, mas eles também dividem muito bem os sentimentos e são extremamente racionais simplesmente por conta do instinto se sobrevivência. Se o seu cão, algum dia, precisar atacar você para sobreviver, ele vai fazer.

É o que acontece com cães que mordem ou atacam seus donos. Cães que nunca demonstraram agressividade ou comportamento estranho, aparentemente sem causa, atacam aqueles que tanto cuidam deles. Claro que neste simples exemplo estou deixando de lado os cães que são mau tratados e um belo dia reagem ao dono, isto é o absurdo e o cão está se defendendo.

Mas quando cães atacam, aparentemente do nada, isso normalmente ocorre porque em algum momento o cão observou algum padrão que ele compreendeu como ameaça, pode ser algum padrão que ele simplesmente não entendeu. E o que animais fazem quando não entendem algo? Interpretam, e as vezes esta interpretação pode ser classificada como um risco. Na natureza eles não tem tempo de pensar e analisar se aquele é apenas um cara legal ou não. Assim eles atacam antes que sejam atacados.

O cão não é mau, não é ruim, não odeia você e não é um rebelde sem causa, apenas respondeu ao instinto mais forte em seu cérebro, o de sobrevivência.

Este é um dos motivos do porque conviver e treinar todos os dias o seu cão, desde comandos mais básicos ao máximo que você puder ensinar.

Isso vai ensinar a ele um repertório de atitudes e padrões de sua parte, cujo o cão vai aprender a responder de forma positiva e tranquila.

Voltando ao nosso ponto, quando falamos demais nós também soltamos os nossos cheiros e mostramos o nosso comportamento através do corpo. Por isso, ao invés de falar e gritar para o cão realizar um comando que ele aprendeu antes, respire fundo e tente se manter tranquilo por um ou dois minutos antes de entrar no meio dos animais. Com a prática você irá fazer estes minutos se tornarem segundos e, ao invés de entrar em contato com os cães de forma agitada, gesticulando e falando demais, você entrará tranquilo, sem soltar uma única palavra e logo eles irão se tornar mais calmos.

Não faz muito tempo estive na primeira viagem com a MATILHA. Lá tínhamos uma linda Heeler de nome Stopa. A Stopa tem uma tendência dominante e protege seus donos de outros cães e pessoas. Ao chegar perto para cumprimentá-los, eu apenas ignorei a Stopa, que passou a me cheirar e assim ficou. Eu não estendi a mão para eles, não olhei para ela, não falei com ela e apenas falei com eles. O meu comportamento mostrou a ela que eu não estava ali para brigar ou tomar o terreno dela, eu não era uma ameaça.

Saber se aproximar de um cão poderia evitar grande parte dos ataques que vemos por ai e também muitos rótulos negativos aos cães.

Quando vou alimentar os meus cães eu praticamente não falo com eles, apenas olho e faço os meus movimentos: Pego a vasilha, a caixa de ração, coloco no balcão e etc. Eles já entendem, não latem, não gritam e apenas deitam em suas posições esperando pelo processo todo e o comando para comer. Antes eu costumava dar o comando por voz, hoje estou acostumando apenas apontar e estalar os dedos, simples. Sem uma palavra.

Assista o vídeo (no YouTube ou mais abaixo):

Winters, Speirs e Maori esperando para comer
https://youtu.be/-0ZbBQejnBg

Se eu não falo com os meus cães? Claro que falo, todo mundo que tem um cão fala com ele. Mas eu tento fazer isso no momento certo e isto já se tornou algo automático em minha mente. Geralmente acontece quando estou escovando os dentes deles ou quando estamos brincando, rolando no chão. As vezes também quando Winters vem e deita no meu colo, calmo e tranquilo, eu começo a conversar com ele. Lembra da natureza? Os animais costumam emitir sons quando tudo está tranquilo, sereno e equilibrado. Este é o momento de bater papo.

Quando você chega em casa, mexe na comida ou está no meio de um treinamento que exige foco, fale menos e sinta mais. Aprenda com o seu cão a deixar de falar para observar como ele fala com você por meio de gestos, postura e olhar. Deixe que ele te leve para um nível diferente de comunicação.

Fale menos e aproveite mais, eles são fantásticos!


Rafael Meireles é proprietário do
Winters e Speirs, Australian Cattle Dogs
filhotes da Brises, nascidos no Canil HLP.
Escreve periodicamente esta coluna
compartilhando suas experiências.